25/12/2013

Papai Noel num dia inteiro por estradas européias pedindo carona da Dinamarca à Berlim, na Alemanha

No sábado, 21 de dezembro, saí de Odense, na Dinamarca, com 600km estrada, chuva (chuvisco na verdade, nada como chuva tropical brasileira), vento e frio (uns 3 graus celcius) entre Berlim, na Alemanha, e eu.

De carro, segundo o Google Maps, esse trajeto levaria 5h50min. De trem, levaria 8h. De carona, eu levei 10h20min, com direito a pedir carona durante à noite (porque nessa época do ano quando dá 4horas da tarde tudo já está escuro). Foram 8 caronas, com direito a um passeio pelo Mercado de Natal no meio da cidade de Flensburg (fronteira da Dinamarca/Alemanha), conhecer um tanto de gente que deu carona e distribuir chocolates pra galera. E uma das caronas foi com um casal de lésbicas lindíssimas (que voltaram após passarem por mim lá na beira da estrada, só pra me darem carona). 
O vídeo conta melhor do que eu, assiste aí.


Merry Christmass!! :-)



Pontos onde pedi carona:

Clique na imagem para ampliar.

Leia mais »
Read more »

15/12/2013

How to ask for a ride in Spanish

Como pedir carona em espanhol

Afinal, como fala "pedir carona" em espanhol? Em português, a palavra "carona" se refere à carona que você pega com seu amigo, à carona que você pede na beira da estrada, à carona que você combina antes.. Além disso, os dicionários costumam dizer que se é "carona", então é gratuito. Mas na prática, usa-se o termo mesmo quando se está gastando algum dinheiro pra ajudar a dividir os custos do combustível.

O meu objetivo aqui é falar da carona que se pede na beira da estrada, aquela que pessoas desconhecidas param pra te levar até algum lugar voluntariamente, sem te pedir pra desembolsar dinheiro algum.


"Pedir carona" em Português de Portugal

Em portugal se diz "pedir boléia".


"Pedir carona" em Inglês

Hitchhike se for para carona na beira da estrada. Carpool se for pra essas caronas que você combina com alguém antes, gratuitamente ou não. Caroneiro é, respectivamente, "hitchhiker" e "carpooler".


"Pedir carona" em Dinamarquês

Blaffe. E "caroneiro" é "blaffer". Essa não é muito útil, já que quase todo mundo fala inglês na Dinamarca. Só tô citando todas as traduções que sei :P


"Pedir carona" em Francês

Autostop, igual na Espanha. Mas caroneiro é "autostoper".


"Pedir carona" em Espanhol

Em espanhol tem várias traduções, vai depender do país, como listado na tabela abaixo.


Argentina, Bolívia, Chile, Espanha, Paraguai, Uruguai
Hacer dedo
Colombia
Echar dedo, Pedir chance
Costa Rica, México, Nicarágua
Pedir ride
Cuba
Pedir botella
El Salvador, México, Nicarágua, Peru
Pedir aventón
Equador
Jalar dedo
Espanha
Hacer dedo, Hacer autostop
Guatemala, Honduras
Pedir jalón
México, Nicarágua
Pedir aventón, Pedir ride
Peru
Tirar dedo, Pedir aventón
Porto Rico
Pedir pon
Panamá
Pedir bote
República Dominicana
Pedir bola
Venezuela
Pedir la cola


E fiz um vídeo, pra você aprender as pronúncias e algumas traduções literais que não fazem muito sentido em português.


How to say "hitchhike" in Spanish and other languages?


"Ask for a ride" in Portuguese from Brazil

Pedir carona, and "carona" means ride. It is used for both hitchhiking or carpooling. Additionally, in portuguese dictionaries you will find "carona" as if it were a free ride, but we actually use this word even when we're sharing travels costs like fuel costs or whatever.


"Ask for a ride" in Portuguese from Portugal

In portugal they say "pedir boléia".


"Ask for a ride" in Danish

Blaffe. And hitchhiker is "blaffer". Not really useful as basically everyone speaks english in Denmark, I'm just citing all translations I know :P 


"Ask for a ride" in French

Autostop, just like in Spain. But hitchhiker is "autostoper".


"Ask for a ride" in Spanish

In spanish there are a lot of ways to say "ask for a ride", it will depends on the country where you are.


Argentina, Bolivia, Chile, Spain, Paraguay, Uruguay
Hacer dedo
Colombia
Echar dedo, Pedir chance
Cuesta Rica, Mexico, Nicaragua
Pedir ride
Cuba
Pedir botella
El Salvador, Mexico, Nicaragua, Peru
Pedir aventón
Ecuador
Jalar dedo
Spain
Hacer dedo, Hacer autostop
Guatemala, Honduras
Pedir jalón
Mexico, Nicaragua
Pedir aventón, Pedir ride
Peru
Tirar dedo, Pedir aventón
Puerto Rico
Pedir pon
Panama
Pedir bote
Dominican Republic
Pedir bola
Venezuela
Pedir la cola


Then I made this video with english subtitles, teaching how to pronounce these expressions and how they weirdly sound like if you literally translate them to other languages.


Leia mais »
Read more »

03/12/2013

The Brazilian group of hitchhikers on Facebook

O grupo brasileiro de caroneiros de beira de estrada no Facebook

Saiu a nova publicação da revista Kay Pacha, e dessa vez eu tô lá ocupando 4 páginas. A entrevista tá em português mesmo.

Aqui vai uma lista dos tópicos abordados:

- Há quanto tempo você viaja pedindo carona?
- Com qual objetivo você criou o grupo de caroneiros de beira de estrada (hitchhikers) no Facebook?
- O grupo contribuiu em algo para as suas viagens ou à sua vida?
- Conte-nos alguma experiência divertida que te aconteceu nas suas viagens de carona.
- Você já se viu em alguma situação de risco em alguma dessas viagens?
- Você tem algum conselho para quem quer viajar pedindo carona? Por exemplo o que você acha que um caroneiro nunca deve fazer?
- Como é viajar pedindo carona pelo Brasil em relação a outros países?
- Onde você está neste momento? Como é a vida de um caroneiro por aí?

Quem for ler, não espere uma entrevista super bem escrita, porque é uma revista colaborativa e voluntária sobre/para caroneiros e mochileiros. O que ela gera é apenas lucro apenas pro leitor. ;)


"[..] Se você não tem nenhuma intenção sexual de maneira alguma com a pessoa que está te dando carona, então procure sair de alguma maneira de qualquer assunto que envolva coisas sexuais. [..] Isso tudo é um super jogo de psicologia, depende do caso, da pessoa com quem você está lidando, e de você. Você muitas vezes corre tanto risco com o motorista, quanto ele com você."

Leo Carona na quarta edição da revista Kay Pacha falando sobre o grupo brasileiro de caroneiros e viajar de carona.


Leia a entrevista na versão disponibilizada gratuitamente da Kay Pacha 4 - http://migre.me/gRQHN

El grupo Brasilero de viajeros a dedo en Facebok

En el nuevo lanzamento de la Kay Pacha Revista, una revista sudamericana, me entrevistaron acerca de muchos temas relativos a mis viajes a dedo por el mundo. Cómo la entrevista es toda en portugués, voy a dejar de hacer la traducción de este post al español hoy.

Esas son las preguntas respondidas:

- hace cuánto tiempo que viajás a dedo?
- con qué objetivos creaste el grupo en facebook?
- el grupo aportó algo a tus viajes/ a tu vida?
- contanos una experiencia divertida viajando a dedo.
- cuál fue el vehiculo más extraño en el que viajaste?
- corriste peligro alguna vez?
- consejos para viajar a dedo? o qué no debemos hacer?
- cómo es Brasil para hacer dedo con respecto a otros países?
- dónde estás ahora? cómo es ahí la vida de un caroneiro?

Entrevista de Leo Carona sobre viajar a dedo a la revista sudamericana Kay Pacha.



Lea Kay Pacha 4 aquí - http://migre.me/gRQHN
In this new release of Kay Pacha Revista, a southamerican magazine, they interviewed me about many subjects regarding to my hitchhiking trips around the world. As the interview is all in portuguese, I'm skipping the translation of this post to english this time.


Kay Pacha, a southamerican magazine interviews Leo Carona about his hitchhiking experiences.


Read Kay Pacha 4 here - http://migre.me/gRQHN
Leia mais »
Read more »

29/10/2013

De novo pegando carona sozinho até a capital da Dinamarca... mas agora em português!

Aeeee, pra quem tava com saudade de me ouvir falando português. hahsuhasuhasuh Pronto. Apesar de que os outros vídeos mesmo falando outra língua eu geralmente coloco legendas em português, agora tá aí um vídeo do trajeto de Odense até Copenhague. Essa foi a terceira vez que fui pra lá pedindo carona, agora que fazem 3 meses que cheguei ao país. Só corrigindo umas coisas que eu falo no vídeo: Comecei a caronar às 4:50 da tarde (correto) mas depois que eu desci da primeira carona eu falei que eram 4:30 da tarde. haushasuhas O tempo não anda pra trás aqui não, eu que falei errado. Eram 5:30 da tarde naquela hora. E eu cheguei a Copenhague às 6 horas da noite. A distância de Odense até Copenhague são 160 km, não 130 km como eu falei no vídeo também. O Google maps diz que de carro leva-se 1h50min pra fazer esse percurso. E eu levei 2h10min. Ou seja, 20 minutos pra somando o tempo que eu levei pra conseguir uma carona em Odense mais o tempo pra conseguir uma carona em Nyborg (e no vídeo eu achei que tinha levado uns 30min em Odense e 15min em Nyborg). hahahahah




Em Copenhague fui com o Thiago (brasileiro que mora lá) e pessoal da AIESEC pro parque do Tivoli, onde tinham decorações de halloween bem massa. Ainda nos divertimos nos brinquedos de lá, mas eu como estava me recuperando de ressaca da noite anterior, tava quase vomitando em tudo que é brinquedo girasse que íamos. Mas tudo terminou sem vômitos. haushau


Para ver o mapa ampliado, clique na imagem.
Leia mais »
Read more »

20/10/2013

Pedindo carona nos arredores do Castelo de Egeskov, Dinamarca


Ontem fui passear por um castelo chamado Egeskov, no sul aqui da ilha de Fyn. Os tickets foram ganhados da "Comunidade". A "Comunidade" de Odense (a cidade onde estou morando) envia tickets pras pessoas que chegam pra morar na cidade pra visitarem lugares legais/turísticos na cidade e nos arredores.










Fui pra lá com um outro intercambista da AIESEC, que é um mexicano chamado Raúl. Por enquanto não coloquei legenda nem em português nem em inglês por preguiça mesmo. Mas como todo mundo acha que espanhol é igual português mesmo, não precisa de legenda, né? hahah





Leia mais »
Read more »

19/09/2013

Hitchhiking to the International Kite Festival in Denmark

Pedindo carona para o Festival Internacional de Pipas na Dinamarca

Bom, como falei no último post, tá aí um vídeo contando como foi a viagem de Odense até Rømø, uma ilha no oeste da Dinamarca onde rolou um festival de pipas muito loks! Não vou escrever muito já que no vídeo já conto basicamente todo o trajeto. rsrs

Habilite a legenda em português, caso ela não apareça quando vc começar a assistir o vídeo :)






Haciendo dedo hacia al Festival Internacional de Cometas en Dinamarca

Buen, como dije en el último post, sigue ahí el video contandoles como fue el viaje a dedo desde Odense hasta Rømø, una isla que queda en el oeste de Dinamarca donde hubo un festival de cometas muy chevere! jajaja No voy a escribir más ya que en el video ya cuento basicamente todo del tramo. :)






Well, as I promissed on my last post, here goes a video telling you how was the trip hitchhiking from Odense to Rømø, an island on the west coast of Denmark, where an amazing kite festival was happening! I'm not going to write more as on the video I'm already telling basically all about the trip :)

There's english subtitles in case you don't understand my english. hahah


Leia mais »
Read more »

11/09/2013

Kay Pacha magazine interviews Leo Carona

Revista Kay Pacha entrevista Leo Carona

Alous. Primeiro, vocês devem ter notado que alguns posts estão com versão em outras línguas (como espanhol e inglês), é que estou tentando adaptar o blog pra eu poder postar os textos traduzidos, então estou fazendo uns testes iniciais com isso. 


Bom, mas vamos lá no assunto do post de hoje. Fui entrevistado pelo pessoal da revista Kay Pacha, uma revista que está surgindo por agora onde são publicadas entrevistas com diversos viajantes, principalmente caroneiros de estrada. A entrevista vai da página 3 à página 7, e você também pode ler entrevistas com outros mochileiros que podem te motivar a ir pra estrada e largar sua vida paradona e sem surpresas pra trás ;)

Leo Carona é um personagem das estradas brasileiras, um "caroneiro" famoso. Na internet ele criou um grupo chamado "Caroneiros de Beira de Estrada - hitchhikers" onde se discutem temas importantes sobre o assunto (caronas).

Clique na imagem para abrir.


Kay Pacha entrevista Leo Carona. A revista de e para mochileiros tem conteúdos em português e espanhol, pra toda América do Sul.


Final de semana passada participei de outro campeonato de caroneiros aqui pelas estradas da Dinamarca, e dessa vez (junto com minha dupla) ganhei ;) Estou esperando me mandarem as fotos pra eu poder editar um vídeo e farei um post aqui pra vocês.

E... durante as caronas, uma mulher super empolgadona que deu carona pra gente, disse que é professora em uma escola aqui no interior e me convidou pra ir lá falar um pouco das minhas viagens, das coisa, lugares, culturas e pessoas que já vivi, e etc. Seus alunos são adolescentes entre 13 e 15 anos, me parece, e todos falam inglês. (Imagina quantos pais dinamarqueses não iam querer ma matar por influenciar seus filhos a irem pra beira da estrada se aventurar caronando mundo a fora. haha)

 Mas, vamos ver... Se eu decidir aparecer por lá, conto pra vocês. Fiquem aí com a leitura do Kay Pacha. =)




Kay Pacha entrevista Leo Carona

Holas. En primer lugar, te darás cuenta de que algunos textos en este blog están escritos también en otros idiomas (como el inglés y portugués), es que estoy tratando de adaptar el blog para que pueda publicar textos con traduciones, entonces estoy probando algunas posibilidades por ahora.


Bueno, pasemos al tema de hoy. Fui entrevistado por la revista Kay Pacha, una revista que recién surgió para hablar de viajes y donde se encuentra entrevistas con un montón de mochileros, sobretodo viajeros a dedo. La entrevista de estiende de la página 3 a la 7, donde también puedes leer entrevistas con otros mochileros que te pueden motivar a salir a la carretera y dejar su vida aburrida y sin sorpresas hacer parte del pasado :P

Leo Carona es un personaje de las rutas brasileiras, un "caroneiro" famoso. Creó un grupo en internet llamado "Caroneiros de beira de estrada - hitchhikers" donde se debaten temas importantes sobre el temas importantes sobre el género.


Haz clic en la imagen abajo para abrir. (está en portugués, pero probablemente entenderás :P)


Kay Pacha entrevista Leo Carona. La revista escrita por y para mochileros tiene contenido en portugués y español, para toda Sudamerica.


La semana pasada he participado de otro campeonato de viajeros a dedo por las carreteras aquí de Dinamarca, y de esta vez (junto con mi pareja) gané ;) Estoy esperando que me manden las fotos para que yo pueda editar un vídeo y postearlos todos aquí para ustedes.

Y... durante lo viaje, una mujer super buena onda que nos llevó por uno de los tramos, nos dijo ser una profesora en una escuela en el interior del país y me invitó a ir a contarles un poco de mis viajes, las cosas, los lugares, las culturas y los personas que he conocido mundo afuera y etc. Sus estudiantes son adolescentes entre 13 y 15 años, y todos hablan inglés. (Imagináte cuántos padres daneses no me van a querer matar por influir sus hijos a irse a la carretera hacer dedo hacia el mundo. Haha)

Pero, vamos a ver... Si decido hacerlo, les contaré. Ahora les dejo con la lectura del Kay Pacha. Disfrutá =)




Hellos. First, you might have noticed that some posts have now translations to other languages ​​(such as spanish and portuguese), and that´s because I´m trying some tricks to make it possible for me to post translated texts as well, so I'm currently doing some initial tests here.


So, let´s go to the real subject of this post. Recently I was interviewed by Kay Pacha maganize, which is a brand new maganize who´ve been making interviews with many backpackers, specially hitchhikers. It´s not a long interview, but you may also read in it many interviews which can encourage you to go out to the road and leave behind your borring life ;P

Leo Carona is a character from the brazilian roads, famous "hitchhiker". On the internet he created a group called "Caroneiros de beira de estrada - hitchhikers" where important topics related to hitchhiking are discussed.

Click the image bellow to read it. (but it´s only in portuguese, though. :O)


Kay Pacha interviews Leo Carona. This magazine written by and for backpackers has contents only in spanish and portuguese, to make it specially understandable for people all over South America, at least.


Last weekend I´ve attended to another hitchhiking championship here in Denmark, and this time (with another fellow) I won ;) I'm waiting them to send me the pictures that we´ve taken there in Rømø so I can edit the videos and post them all here for you soon.

And just one last thing... during the trip, one of the rides taken was with a super excited woman who told us that she´s a teacher in a school in the country side of Denmark and invited me to go there make kinda speech about my trips, telling about things that I´ve seen, the places, the cultural differences and the people who I´ve met in my trips around the world.. Her students are teenagers between 13 and 15 years, and they all speak English. (Guess how many danes mothers and fathers would not want to kill me for influencing their children to get out there hitchhiking around the world. Haha)

I´ll see... And in case I decide to do so, I'll come back here to let you guys know. So, enjoy reading Kay Pacha and see you! =)
Leia mais »
Read more »

26/08/2013

How to hitchhike from Odense to Copenhagen, Denmark

Como pedir carona de Odense para Copenhague, Dinamarca

De novo fui pra Copenhague pedindo carona sexta passada :) O segundo fds consecutivo que fui pra lá de dedão. Tem legenda em português no vídeo.
É tipo um tutorial pra quem quiser pedir carona daqui de Odense pra lá, qual bus pegar, onde descer do busão e onde pedir carona.




Clique aqui para ver local no Google Maps.





Cómo hacer dedo de Odense a Copenhague, Dinamarca

Una vez más me fui a Copenhague haciendo dedo en el viernes pasado :) El segundo fin de semana consecutivo que me voy para allá de esta manera. El video tiene subtítulos en español.
Es un tutorial para aquellos que deseen ir a dedo desde Odense (la tercera más gran ciudad del país) hasta la capital. Cual bus tomar, dónde bajarse y el punto exacto donde quedarse enseñando tu pulgar.




Clique aqui para veer en Google Maps.


Once again I went to Copenhagen hitchhiking last friday :) It was the second consecutive weekend that I made it.

This is kinda a video tutorial for those who want to hitchhike from Odense (the 3rd biggest city in Denmark) to the capital - Copenhagen -. Which bus you should take, where to get off it and the exact spot to put your thumb up.


  • Take the buses 21, 22 or 23 from Odense central station (the train station in the middle of the city) towards Højby or Hjallese.
  • Ask the driver to drop you off at the first stop after the McDonalds. You're gonna get to where I made this video.
  • Now that you got off the bus, you'll just need to cross the street and lift your thumb at the corner you see in the video.







Click here to see it on Google Maps.

I usually get picked up in 10 to 20 minutes waiting here, but as we're talking about hitchhiking of course it also happens that I'm picked up here by the first car after 1 second waiting or after way longer times. By some other hitchhikers experience [Hitchwiki], the average waiting time here currently around is 35 minutes.
Leia mais »
Read more »

19/08/2013

Minha primeira vez caronando na Europa

Esse fds estive em Copenhague para um campeonato de caroneiros. Fui e voltei de lá pedindo carona, mas durante o campeonato me saí tão mal que ganhei um prêmio por ter conseguido a proeza de não conseguir pegar sequer uma carona. Então hoje vou contar um pouco sobre isso, o tanto que caminhei em Copenhague, peguei metrô sem pagar, acampei com os caroneiros que participaram do evento (maioria gringo de outros países europeus) e tive uma experiência que (finalmente) me fez sentir dinamarquês como uma língua necessária.



Primeiro dia: caronando de Odense até Copenhague


Começando por sexta-feira, que saí de Odense pedindo carona com a Klaudia, uma polaca que havia publicado no grupo local do CouchSurfing que queria uma companhia pra ir pra Copenhague (capital aqui da Dinamarca) pedindo carona. Não nos conhecíamos ainda, e nos encontramos na "estátua estranha", no centro da cidade. Decidimos pegar o ônibus até a saída da cidade. Haviam me indicado ir pra lá e pedir carona na estrada de acesso à rodovia nacional, pq pedir carona na rodovia nacional é proibido. Só que nem me lembrei disso, e fomos caminhando pedir carona na tal rodovia. hahah

Povo passava a mil por hora, cheguei a pensar que seria foda de conseguir carona. Mas deu certo, 10min depois e um carro com dois homens parou. Ambos falavam inglês. Nos levaram até Slagelse (só sei que se escreve assim pq pedi pra soletrarem pra eu anotar hahah), e ficamos numa rotatória na entrada da cidade pedindo carona.


Pedindo carona na ilha Zealand, na cidade de Slagels, Dinamarca.


Tava meio difícil conseguir carona aí, até pq basicamente não tinha onde o povo parar. Eu tava querendo caminhar pra rodovia mas a polaca não queria, por medo da polícia passar e tomarmos multa (multa de 750 coroas dinamarquesas, o que atualmente dá cerca de 320 reais - 3 vezes o preço a passagem de trem nesse trajeto de Odense até Copenhague). Uns 50min depois pegamos uma carona com uma alemã que vive aqui na Dinamarca há algumas décadas. Ela nos levou nos últimos 90km que faltava pra chegarmos a Copenhague.


165km percorridos pedindo carona nessa minha primeira vez de dedão na Europa. De Odense para Copenhague, Dinamarca. Veja mapa completo.







Segundo dia: pegando trem sem pagar, roubando maçãs e ganhando prêmio no campeonato.. por ser o mais looser


No segundo dia, sábado, era dia do campeonato de caroneiros. Massa demais isso, né? Eu e outros caroneiros no Brasil vínhamos especulando de fazer um campeonato de carona no Brasil há anos, mas nunca conseguimos organizar isso já que era impossível ter um feriado nacional grande o suficiente pra que todos os caroneiros (do norte, do sul, do leste e do oeste) conseguissem chegar numa cidade em comum caronando. Quando vi (antes mesmo de vir pra cá) que aqui na Dinamarca ia rolar um campeonato desses, fiquei super empolgado e já confirmei minha presença naquele dia mesmo. Hoje eu já me dei conta de que pra algo assim funcionar no Brasil, a galera tem que fazer por estado ou no máximo por região, por conta do país ser tão gigante. Assim, a galera do sul fica mais de boa pra participar de um campeonato no sul, por exemplo. E aqueles do sul que quiserem se aventurar num campeonato que for rolar no norte, pode se virar até com avião - caso não tenha tempo mas tenha grana pra isso. hahahah Mas enfim, vamos voltar ao assunto, né? :P


Rota do Campeonato de caronas. Na verdade o ponto de saída era Copenhague, daí tínhamos que descer caronando pro ponto A, depois voltar subindo e seguir pro B, C e finalmente nos encontrarmos no D pra acamparmos. Veja mapa completo.

De sábado pra sexta eu dormi na casa do organizador do evento. Eu fui pra Copenhague mesmo sem ter um lugar pra me hospedar. Só que antes de sair de casa eu havia postado na página do evento que eu tava sem hospedagem e deixei meu celular, aí o organizador do grupo foi um dos que quiseram me abrigar mesmo assim de última hora, e me enviaram SMS enquanto eu tava na estrada. Cheguei a Copenhague e cruzei uns 4km caminhando pela região central pra chegar no parque onde ia encontrar o cara que ia me hospedar (claro que eu podia ter pego ônibus, só não quis pq ia gastar dinheiro e pq ia só servir pra eu perder essa primeira oportunidade de conhecer algumas ruas da cidade). E lógico, eu tava achando tudo bem diferente. Parques gigantes e lindíssimos com várias pessoas fazendo picnic, e quase tudo as casas parecem castelos. huashaushasuh

Na manhã de sábado, então, nos encontramos todos que iríamos participar do evento. Debaixo de chuva, no centro da cidade. Ao contrário do que eu acho que aconteceria num evento desses na América do Sul, metade dos participantes eram mulheres. Escrevemos números em papeiszinhos e cada um pegou um papelzinho pra descobrir quem seria sua dupla. Foi assim que eu separei a turca Dora de sua amiga (também turca), que queriam pegar estrada juntas. hahah

[só um break aqui pra eu contar uma coisa hilária..] Ainda quando estávamos aí no centro, vem de lá um taiuanês correndo pra falar comigo.

- Hey! Are you the guy from the movie?

Eu:

- What? Which movie?

Ele:

- That one.. about the ring..

Sim, dessa vez não tinham se aproximado de mim pra dizerem que eu pareço com o Frodo mas estavam achando MESMO que eu era o próprio ator do filme. kkkkkkk Infelizmente eu respondi que não. E digo infelizmente porque depois eu fiquei me perguntando qual seria a continuação da história se eu tivesse dito que sim, que eu era o próprio Elijah Wood usando lentes castanhas nos olhos. rs [/fim do break pra historinha]




Todo mundo saiu de dentro do centro da cidade pegando carona, só eu e minha parceira e mais outra dupla é que pegamos trem pra saída da cidade. Fiz isso pq Dora já tinha pego carona num ponto específico, então acreditamos que daria certo e fomos pedir carona no mesmo lugar que ela tinha pedido da outra vez [pra quem for mais curioso veja aqui o ponto onde estavamos pedindo carona, bem aí nessa placa que aparece]. Mas foi um fracasso. Ficamos lá horas pedindo carona, e só a outra dupla que conseguiu. Eu e Dora caminhamos pela beira da pista onde era proibido caminhar, pedimos carona onde é proibido, pedimos carona também onde é permitido, e em nenhum desses lugares, durante umas 3 ou 4 horas, ninguém parou pra dar carona. Até que ali, na beira da estrada, a gente resolveu desistir e voltar pra Copenhague.

No caminho tinha um pé de maçãs, e acho que foi a primeira vez que eu vi um pé de maçã na minha vida. Roubei um bocado delas, pq estavam ótimas. hahah


Notícia nos jornais "Brasileiro é preso na Europa por roubar maçãs em macieira dosotro.", "Nego sai do Brasil mas o Brasil não sai dele."


Decidimos pegar o metrô de volta pra Copenhague sem pagar, correndo risco de algum fiscal vir pedir nosso bilhete e a gente tomar uma multa alta por não ter um. Mas não deu nada. Reencontramos com a outra dupla que havia pego estrada junto com a gente. Elas haviam decidido voltar pra Copenhague invés de passar pela primeira cidade-destino do campeonato, já que apesar delas terem conseguido uma carona (e a gente não), a situação também não tava assim tão fácil nem pra elas. rsrs Mas daí elas tavam voltando pq ia pegar caminho direto pra segunda cidade-destino do campeonato.

Aí, ao nos reencontrarmos com a outra dupla, eu e Dora decidimos trocar de dupla e mudar o plano de desistir totalmente de caronar naquele dia. Assim Dora se juntou com sua amiga, como esperava que fosse no início, e eu me juntei com uma peruana. Daí pra frente mudou o idioma de inglês pra espanhol, já que por eu falar espanhol ela queria aproveitar pra poder falar sua própria língua. hahah

Pero, con la chica de Peru fue igual, un fracaso. Também não conseguíamos carona nós dois juntos. Na verdade nem tentamos muito, pq todo lugar tinha essas placas de proibido parar [é uma placa azul com um X vermelho no meio, eu não tenho tanta certeza que era placa de proibição de parar, mas foi o que outros estrangeiros me disseram]. Acabei sugerindo pra gente ir pra praia, enquanto minha nova parceira ficava tentando me convencer a pegar um trem e irmos pra próxima cidade-destino, e de lá tentarmos carona. Mas nah, eu já tava morto de caminhar, de pegar chuva e ninguém parar. Preferi ficarmos na beira da praia descansando, vendo as crianças e adultos dinamarqueses felizes nadando naquela água fria enquanto a gente tremia de frio só com o vento.


Um dos lugares à beira da praia onde paramos pra descansar enquanto caminhávamos vários quilômetros pelo litoral leste da ilha de Zealand, rumo ao local do camping.


Deu a noite, e fomos caminhar pro acampamento. Aí que demos conta que estávamos simplesmente a uns 4 km de lá. Bora caminhar mais, né? 50minutos depois estávamos nós chegando no local de encontro. E coincidentemente AO MESMO TEMPO dois carros estavam parando na beira da rua e deixando duas duplas. Uns 5 minutos depois outro carro parando e deixando outra dupla. E assim estávamos lá, basicamente todos empolgados se divertindo e contando suas aventuras. E claro, rindo da minha cara que não fui capaz de conseguir nem uma carona. Porque até a Dora depois conseguiu umas caronas com sua amiga.

O local do camping era gratuito e já tinha toda uma infraestrutura preparada pra camping [clica aqui pra ver a entrada do camping, apesar de que não dá pra ver muita coisa na verdade]. Com banheiro, lugar pra fogueira e até uns abrigos. A gente se enfiou nos abrigos com nossos sacos de dormir. Os abrigos tinham chão de madeira (graças a Jah, se não eu ia congelar né). Mas antes, acendemos uma fogueira e ficamos lá até altas horas da madrugada fazendo piadas e conversando. Cada um com seu nível de inglês, desde nível fluente até nível desses que se embolam em cada duas palavras que falam. E tinha eu, que nem sempre entendia o que tinham dito mas ria fingindo que tava entendendo tudo. huashuahs

Aqueles que conseguiram: passar por todas as cidades do campeonato, tirar fotos em todos os pontos combinados e chegar primeiro no ponto final combinado, ganharam uns prêmios (simbólicos apenas, como caneta pra poder fazer placa pra pedir carona e não lembro mais o quê). E também decidiram que eu merecia um prêmio por eu ter sido tão looser que não consegui nem ao menos uma carona. haushuahs Ganhei um pacotim de biscoito. :-D





Dia de voltar pra casa: carona num caminhão vindo da Suécia e a primeira vez que achei utilidade em saber falar dinamarquês


Domingo e terceiro dia: acordamos e ficamos lá conversando durante umas boas horas durante a manhã no acampamento.

Local do camping, na manhã de domingo.

Manhã de domingo. O abrigo onde dormimos é esse aí, e o teto é grama olha que massa :) Aquele grupo lá no fundo é uma parte dos que participaram do campeonato.


Alguns já começaram a ir embora. Mas nós que ficamos ainda fomos pra um restaurante na beira da praia, pq umas meninas queriam tomar uma café. Uma italiana e os únicos dois dinamarqueses que estavam no campeonato ainda se jogaram no mar. Eu como ia ter que caronar o dia inteiro nem quis arriscar entrar naquela água gelada. Não por estar gelada exatamente, mas porque eu ia ficar todo pregando de sal durante todo o dia caronando pra voltar pra Odense.

O caminho do camping até o centro de Copenhague eu mas três pessoas resolvemos voltar pedindo carona. Nos separamos em duas duplas, mas aí eu e minha dupla conseguimos uma carona num carro vazio, e convencemos o motorista a pegar a outra dupla que tinha seguido caminhando pela rua pra pedir carona quando achassem algum outro lugar que não tivesse placa proibindo os carros de pararem. Assim fomos os quatro até algum ponto dentro de Copenhague.

Umas duas horas depois eu tava no centro de Copenhague encontrando novamente a Klaudia pra voltarmos pra Odense. Eram umas 4:30 da tarde, e pra sacanear a gente tava rolando algum tipo de competição de corrida dentro nas ruas do centro da cidade. Foi uma luta a gente conseguir descobrir um jeito de chegar no lugar que tínhamos que ir pra pedir carona, já que toda rua que a gente pegava orientados pelo GPS a gente dava de cara com alguma rua fechada pro campeonato. No fim, chegamos no ponto que queríamos, que era dentro da cidade mesmo, mas que dava pros carros pararem.

Ficamos ali talvez 1 hora e ninguém parava. Até que resolvi sentar no canto da rua e deixar só a Klaudia pedindo carona pra ver se ajudava. Pouco tempo chega um cara olhando pra mim e pra ela, e grita pra ela perguntando se ela tava sozinha. Ele tava com crianças, provavelmente ia dar carona mas só tinha um lugar, aí não rolou. Mas então ela continuou lá, e finalmente uns 10min depois um carro parou pra levar-nos.

Era um carrão, o cara também com duas crianças no carro. Aqui na Dinamarca tenho notado que os pais são muito mais presentes na vida das suas crianças do quê no Brasil. Aqui é super comum ver só o pai com seu(s) filho(s) passeando por algum lugar, fazendo alguma coisa.

O cara nos deixou uns 30km de Copenhague, também numa estrada onde não era proibido pedir carona porque era dessas que dão acesso à rodovia. Eu e Klaudia tínhamos acabado de comentar como seria legal conseguir carona em um caminhão na Dinamarca, e nos separamos - ela ficando na rodovia pedindo carona e eu na estrada de acesso. Nem 10 minutos e pararam pra ela na rodovia. ERA UM CAMINHÃO! :D

Um caminhoneiro sueco, que falava muuuito pouco inglês. Aí foi a primeiríssima vez, nessas 3 semanas que estou na Dinamarca, que eu senti falta de não saber falar sequer uma palavra de dinamarquês. Digo isso porque eu queria muito poder conversar com o caminhoneiro, saber um pouco mais da vida dele que viaja sempre pelos países da europa pra levar coisas entre as cidade, e dinamarquês é muito parecido com suéco então daria pra misturar dinamarquês com inglês pra gente poder se comunicar melhor. Terminei mais motivado em aprender dinamarquês pelo menos, já que não tem como ser muito motivado nem morando aqui porque todo mundo - mesmo se você tentar falar dinamarquês com eles - te responde em inglês. E pra falar a verdade, essa foi a única carona que me deixou feliz de fato em todas essas caronas que peguei desde sexta. Porque sei lá, o caminhoneiro me parecia mais legal e mais aberto pra conversamos uns sobre os outros - ou vai ver era só eu que tinha me empolgado mais com ele do quê com os outros motoristas "comuns" mesmo..


Eu, Klaudia e o caminhoneiro. Brasileiro, polaca e suéco - na Dinamarca. rsrs




O louco do caminhoneiro entrou alguns quilômetros pra dentro de Odense só pra deixar a gente num ponto de ônibus, e aí virou seu caminhão super na loucura dando um 360 no meio de uma rua só pra poder voltar e pegar a rodovia de novo. kkkkk

Valeu muito ele ter levado a gente até ali, mas deixar no ponto de ônibus não foi exatamente útil, pq a gente foi caminhando e caronando até conseguir uma carona uns 5 minutos depois com um cara que nos trouxe até o centro da cidade (tipo do lado da minha casa).


[logo quando eu tiver tempo eu edito os vídeos e coloco legenda pro cês. se alguém aí quiser colaborar com traduções desse texto aqui ou mesmo traduzindo o vídeo, eu e um monte de gente agradesceríamos imensamente ^^ coloco os devidos créditos a vc como tradutor.]


Besos.
Leia mais »
Read more »

After being interviewed by Veja BH magazine, did I become a Natura products pitchman?

Depois de sair na Veja BH, virei Garoto Propaganda da Natura?

Depois de sair na Veja BH, virei Garoto Propaganda da Natura? haushuashuash

Entrevista que dei em São Paulo quando eu ainda tava no Brasil, no mês passado. :)






Na praça Roosevelt, em São Paulo, durante a entrevista :)

Detalhes subliminares que só algumas pessoas sabiam:

A blusa e o tênis que eu tava usando durante essa entrevista eram do cara que tava me hospedando em São Paulo durante esses dias. A camisa verde foi presente do Ronan, amigo de Juiz de Fora. A bermuda era do Leandro, aquele de Belo Horizonte que viajou de carona comigo de Porto Alegre pra Buenos Aires no começo do ano. hahaha

Entrevista gravada em julho, quando faziam 9 meses que eu tava só vivendo na estrada, viajando de carona e me hospedando na casa dos outros, sem trabalhar nem nada :P Vagabundo! hahahah




Después de ser entrevistado por la revista Veja BH, me volví "garoto propaganda" de los productos Natura?

Después dar entrevista a la revista Veja BH, me volvi "Garoto Propaganda" de los productos Natura? jajajaj

Me entrevistaron en São Paulo el mes pasado, cuando yo todavía estaba en Brasil. :)






Recorded at Roosevelt square, in São Paulo :)

Detalles subliminales que sólo unas pocas personas conocían:

La chaqueta y los zapatos que yo uso en esta entrevista fueron prestados por el tipo que me estaba alojando en São Paulo durante esos días. La camisa verde fue un regalo de Ronan, un amigo de Juiz de Fora. Los shorts fueron robados de Leandro, un amigo de Belo Horizonte que viajó a dedo conmigo desde Porto Alegre a Buenos Aires el verano pasado. jajaj

Esta entrevista fue grabada en julio, cuando yo cumplía ya nueve meses viviendo en la carretera, viajando a dedo y alojandome en casas de gente alrededor del sudamerica, sin trabajar ni nada :P Un super vagabundo de hecho! jajajajaj




After interviewed by Veja BH magazine, did I turn a pitchman for the products sold by Natura? hahah

I gave an interview in São Paulo last month when I was still in Brazil. :)






Recorded at Roosevelt square, in São Paulo :)

Subliminal details that only a few people knew:

The jacket and the shoes I was wearing during this interview were landed by the guy who was hosting me in São Paulo during those days. The green shirt was a gift from Ronan, a friend from Juiz de Fora. The shorts was borrowed forever from Leandro, a friend from Belo Horizonte who hitchhiked with me from Porto Alegre to Buenos Aires earlier this year. hahaha

This interview was recorded in July, when I was already nine months living on the road, hitchhiking and staying at people's houses around South America, without working or anything :P Supertramp! hahahah
Leia mais »
Read more »

14/07/2013

Ouro Preto... a cidade é tão histórica que conserva inclusive sua mentalidade homofóbica

Ontem viemos numa república aqui de Ouro Preto. Pagamos várias bebidas, inclusive pros integrantes da casa de ESTUDANTES.

Ao irmos embora, nos pediram pra voltarmos e deixarmos algo escrito na parede da casa da galera. Tanto eu quanto Monique (minha parceira de viagem) o fizemos.

Hoje, dia seguinte... o que a Monique escreveu, se lê (foto). E onde vc lê "Mukifu" (nome da república) foi onde eu havia escrito "Beijos gatos, Leo Carona".





Impossível eu vir a Ouro Preto e não sentir o cheiro da pele dessa cidade. A única cheia de universitários que não valem uma garrafa de bebida. Nojo.
 

Pra mim, ou este episódio desta vez foi um puro ato de homofobia por parte da república Mukifu, ou foi uma nítida demonstração de MEDO por parte dos integrantes da república de serem de alguma forma "zoados" por outros universitários homofóbicos que frequentam ou possivelmente visitarão a casa em uma de suas festas. Em outras palavras, se por si só esta república não é homofóbica, no mínimo ela sabe muito bem (e tenta se adaptar para conviver com) os riscos que seus integrantes correm caso ela seja confundida com uma "república gay", simplesmente por ter uma "frase gay" escrita nas suas paredes em meio às suas várias frases de apologia ao uso de drogas.


Não quero me estender muito, vou deixar mais algumas opiniões de outras pessoas sobre o que se passa por lá, enquanto conto (imagem abaixo) outros detalhes sobre a vida universitária de idade média ouropretense.

Um pouco de outras opiniões e estendendo a discussão sobre a mentalidade de muitos estudantes que habitam Ouro Preto.

Homofóbicos, machistas ou vaquinhas de presépio - essas são as principais palavras que definem a maioria (não todos) dos universitários que habitam Ouro Preto.


Minha demonstração de afeto a essas pessoas no único show do Festival de Inverno que curtimos, além de irmos à festinha na república onde ocorreu a história.


Sem mais. Só achei necessário ajudar a divulgar um pouco do que se passa na cidade - já que todo mundo só sabe falar do que há de legal neste nosso patrimônio histórico.


Comentar
Leia mais »
Read more »

12/07/2013

Kedê o Leo?

Como havia contado, o trajeto de São Paulo a Pouso Alegre (Minas Gerais) foi debaixo de chuva.

Já de Pouso Alegre em diante, tive mais sorte e cheguei a Belo Horizonte numa carona direta. Em BH, passei apenas alguns dias.

Eu com o pessoal do CSBH no meeting semanal do Maleta. Notei que desde que deixei de morar em BH, um tanto de gente nova entrou pra comunidade local :)


Resolvi me juntar a dois amigos e ir pra beira da estrada rumo a Ouro Preto. Pegamos duas caronas até lá. Em Ouro Preto não tive das experiências mais agradáveis, até que chegou o momento mais feliz que foi o de ir embora de lá. :)

Então hoje voltamos da cidade histórica. De lá, pegamos duas caronas: uma até Itabirito e outra com um cara gatíssimo até Belo Horizonte.





Agora é sexta-feira e eu estou passando a noite em casa, de tão cansado. rsrs

Logo pela manhã partirei para um fim de semana em Ipatinga novamente.

Meus dias de Brasil agora estão com tempo contado. 13 dias.


Leia mais »
Read more »

27/06/2013

Voltando de São Paulo pra Minas... de carona e ônibus

Minas, tô voltando! Mas não foi nada fácil, acabei pegando maior chuva saindo de São Paulo.

Peguei o ônibus 187 saindo da praça Princesa Isabel (o mesmo que peguei da outra vez que fui de SP pra MG de dedão) e desci lá na minha conhecida entrada de Mairiporã. De lá pra frente, peguei duas caronas.





Aí desci na saída de Atibaia, no trevo que vai pra Campinas.

O foda é que tava chovendo pra porra, e eu ainda esqueci meu guarda-chuva no carro da mulher que citei aí no vídeo. Esse outro guarda-chuvas que vc me vê usando aí é um que por sooorte eu mantive guardado na minha mochila (era pequeno, não ocupava muito espaço) que ganhei de uma amiga. Foi o que salvou. Mas mesmo assim, me molhei muito - meus tênis ensoparam e a capa de chuva laranjada que uso na mochila não segurou basicamente nada, molhando minhas roupas dentro da mochila, e deixando-a mais pesada.


Pedindo carona debaixo de chuva, na saída da região metropolitana de São Paulo rumo a Minas Gerais.


Tinha um ponto de ônibus ali perto, onde eu podia me abrigar da chuva. Mas tinha um povo lá, e já haviam se passado quase uma hora e vários ônibus que poderiam ser o deles, mas eles ainda estavam lá. A chuva apertou tanto que eu tive que me juntar a eles. Eles estavam esperando um ônibus que iria levá-los pra Bahia. Eu senti cheiro de ônibus de muamba, pela experiência que já tenho com eles. Quando o ônibus fiiiiinalmente chegou, ainda tentei pedir uma carona, mas eles disseram que só quem tinha o nome na lista deles é que eles podiam levar.

Ufa, eles finalmente disaquendaram o ponto de ônibus e eu fiquei sozinho lá. Em momento algum eu parei de tentar conseguir uma carona, e agora um caminhão até insinuou que ia parar pra mim, mas não sei o porque o caminhoneiro terminou mudando de ideia e seguiu sem terminar de parar. Eu tava tremendo de frio e bem molhado. Decidi que pegaria o próximo ônibus que passasse ali e fosse pra cidade de Bragança Paulista e de lá pegaria um ônibus direto pra Pouso Alegre. Esse é um dos problemas de se viajar com dinheiro no bolso - quem disse que eu não conseguiria uma carona poucos minutos depois? Mas mesmo assim, eu vi o ônibus vindo e pulei dentro dele. Desci na rodoviária de Bragança Paulista. O próximo ônibus pra Pouso Alegre sairia só umas quase quatro horas depois. Aí eu tentei algo pra passar meu tempo.




Mas foi sem sucesso. No fim, terminei passando meu tempo lendo um livro que tinha na mochila, vestindo algumas roupas semi-húmidas que estavam na minha mochila e calçando um outro par de tênis que ganhei dias atrás em São Paulo.

Às 18 horas embarquei no ônibus, e pouco depois desci em Pouso Alegre, com uns 35 reais a menos no bolso - o mesmo tanto que eu teria pago se tivesse pego um ônibus direto da rodoviária de São Paulo até Pouso Alegre. Sad. :(

Mas bom que agora diminuem ainda mais as chances (o dinheiro) de eu desistir na beira da estrada de novo e pegar outro ônibus. Pretty good. :)

Comentar
Leia mais »
Read more »